terça-feira, 6 de maio de 2014

Diabetes: E Se Houvesse Uma Reversão No Processo de Ocidentalização Na Nossa Dieta?

Bem, o estudo não é novo e relega-nos para o ano de 1982.

Nesse estudo levado a cabo pela genial Kerin O´Dea, um grupo de dez indígenas de meia idade que vivam numa colónia perto de uma cidade Australiana, com excesso de peso e diabéticos (a partir do momento que abandonaram o mato alguns anos antes, todos eles desenvolveram diabetes tipo II, mostrando também sinais de resistência à insulina e níveis elevados de triglicéridos) concordaram em participar numa experiência através da qual se pretendia perceber se a reversão no processo alimentar ocidentalizado a que tinham sido sujeitos poderia também reverter os seus problemas com a Diabetes.

Ora, diabetes, obesidade, resistência à insulina, triglicéridos, têm uma designação: Síndroma Metabólica (apontada como responsável pelo desenvolvimento da diabetes tipo II, obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares e até de certos cancros)! Foi exactamente isto que estes indígenas desenvolveram graças ao estilo de vida sedentário (que passaram a ter), e às grandes quantidades de hidratos de carbono refinados presentes na dieta ocidental a que foram submetidos. Estas alterações tanto no estilo de vida como na sua alimentação levaram estas pessoas a "desordenar" o sistema através da qual a insulina regula os HC no organismo.

Posto isto, estes 10 indígenas regressaram à sua terra de origem durante as 7 semanas do estudo, uma região isolada a Noroeste da Austrália a mais de um dia de viagem da cidade mais próxima. Desde que abandonaram a civilização as pessoas deste grupo deixaram de ter acesso a qualquer tipo de comida ou de bebida adquiridas em lojas da cidade e passaram a alimentarem-se exclusivamente de alimentos que caçassem e encontrassem na natureza (Aves, Cangurus, Larvas, Vegetais, Peixes de água doce, crustáceos, batata-doce, figos, etc), ou seja tornaram-se caçadores recolectores criando um enorme contraste com a dieta ocidental que vinham a fazer na cidade onde passaram a viver em que os principais alimentos que ingeriam eram à base de farinha, açúcar, arroz branco, refrigerantes, pão, bebidas alcoólicas, leite, carne de baixa qualidade (alimentadas a milho), batatas e algumas frutas e legumes frescos.

O resultado desta reversão na dieta e após as sete semanas a Drª Kerin O´Dea, fez analises sanguíneas a todos os 10 indivíduos do estudo e o que observou não poderia ser melhor em todos os parâmetros:
# Todos perderam peso (uma média de 8kg)
# A tensão arterial baixou
# Os níveis de triglicéridos baixaram
# A proporção de Omega-3 nos tecidos aumentou drasticamente.
# Melhoria da resposta da insulina à glucose
# Tolerância à glucose

Todas as anomalias metabólicas da diabetes tipo 2 melhoraram ou foram completamente normalizadas em apenas e sete semanas.

Este estudo é antigo e à muito que se sabe que a existência de doenças ocidentais como a obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão e até alguns cancros começa invariavelmente por uma alimentação ocidental, mas por cá continua-se a brincar com a saúde das pessoas, se não, basta ver a recomendação da Associação Portuguesa de Nutricionistas para Diabéticos (ver aqui):
Pão? Broa? Bolachas Maria? Bolacha de Água e Sal? Cereais de Pequeno Almoço? Massa?

Quando se consideramos que:
1) mais de 50% dos Portugueses têm excesso de peso 
2) já temos mais 1 milhão de diabéticos em Portugal e se pensarmos em diabetes e pré-diabetes combinadas esse número sobe;
3) 40% dos Portugueses adultos têm Hipertensão
4) mais de 60% das mortes na Europa em pessoas com < 75 anos são causadas por doenças cardiovasculares e cancro;"


a questão não pode ser disparatada.

E quando olhamos para a obesidade unicamente como um problema estético, penso que estaremos a olhar apenas para uma gota do oceano.

E assim vai o Mundo...JUNK..diria eu!!

**Pode ver o referido estudo: aqui


Sem comentários:

Enviar um comentário