segunda-feira, 3 de março de 2014

A Dieta do Pão e da Bolacha Maria para Perder Peso

Poucas são as vezes que me chegam às mãos planos alimentares feitos por nutricionistas em que nelas não estejam contempladas as Bolachas Maria e o Pão, entre outros alimentos vazios. Foi o caso desta ultima pessoa de quem comecei acompanhar a nível nutricional.

E o que vos trago aqui é mais que um desabafo, é para mim o momento de dizer BASTA a este tipo de aconselhamento.

Como podemos verificar, a primeira ingestão de Proteína no dia vem apenas ao almoço. Dietas destas com menos de 1g de proteína/kg, feitas cegamente, a pensar única e exclusivamente na quantidade de calorias ingeridas, sem pensar de que macro-nutrientes nos é fornecida essas mesmas calorias, deriva com certeza em percas de massa muscular e baixa saciedade. Se o objectivo é perder peso, penso que a principal prioridade será manter o máximo possível de intacta a nossa preciosa massa muscular. Afinal queremos perder gordura e não perder massa muscular.

É preciso promover hábitos alimentares saudáveis (e prática desportiva) e já é hora de olhar para outros princípios que não apenas o engordar ou o emagrecer, mas sim o de comermos para sermos saudáveis. É neste preciso ponto que entra o título deste meu post, Pão e Bolacha Maria são péssimos alimentos carregados de calorias isentas de nutrientes e que não deveriam NUNCA serem incentivados o seu consumo por profissionais de nutrição.

Pode até parecer anedótico para os que realmente estão habituados a "comer limpo" ver um plano deste tipo para perder peso, mas a verdade é que ver planos como estes elaborados por profissionais são, infelizmente, "o pão de cada dia"

Mais do que o numero de pães, tostas e bolachas maria ingeridas ao longo do dia, o que realmente me incomoda é o baixo teor proteico existente no plano. Quando o assunto é perder peso é fundamental salvaguardarmos ao máximo o nosso teor de massa muscular, mas com dietas como esta abaixo de 1g de proteína por Kg corporal, com elevado teor de HC e baixo em gorduras de qualidade, tudo se torna mais difícil.

Continuo a pensar, que o mal está criado de raiz, pois este tipo de dietas acontecem, porque as pessoas procuram sempre moldar os problemas à sua medida, que neste caso se verifica na manutenção da ingestão de alimentos que estão habituados a comer e que os levaram a ficar gordos, mas em quantidades menores ou em produtos light para tentarem perder peso, mas que não promovem a saúde mas sim o facilitismo e o auto-engano. E os resultados, esses a curto prazo estão longe de ser os melhores e a longo prazo, são desastrosos.

São várias as vantagens de uma dieta low-carb e rica em proteína e gordura elaborada com alimentos completos em detrimento de dietas que contam calorias e que sejam low-fat. Melhores resultados a médio/longo prazo, aumento da saciedade, redução dos "cravings"por doces, melhor gestão da glicemia, aumento da sensibilidade àinsulina, manutenção da massa muscular, maior quantidade e qualidade de micro-nutrientes.

5 comentários:

  1. Totalmente de acordo! Mas atenção... dietas com 1,6 a 2g por Kg em indivíduos com pouca actividade física ou elevada morbilidade também não é mt eficaz. Pelo contrário!

    ResponderEliminar
  2. Epá...concordo plenamente... bolachinha maria ao lanche e a meio da manhã :) os chamados nutricionistas tem um nivel anedótico hoje em dia

    ResponderEliminar
  3. uma bolachinha maria a meio da tarde... é anedótico a intervenção dos chamados nutricionistas

    ResponderEliminar
  4. Sou nutricionista, não faço nenhum plano com bolachas maria a não ser que seja um doente desnutrido com recusas alimentares multiplas e que só se consiga aumentar o aporte energético através delas (nunca tive casos destes). Como em todas as profissões existem bons e maus profissionais. Aprendam a escolher.

    ResponderEliminar